Cães em segurança privada

Posted by
LinkedIn
Facebook
Facebook
Twitter
Google+
https://blog.g4s.com.br/caes-seguranca-privada/

Veja as vantagens, situações e regras para contar com cães para segurança privada

 

cão para segurança privada

 

Em um mundo que aposta cada vez mais na tecnologia para garantir a segurança, o emprego de cães pode parecer um contrassenso. Afinal, por que utilizar essa forma de proteção milenar quando temos uma profusão de câmeras, drones, alarmes e sensores? 

A resposta está na versatilidade e nos sentidos aguçados dos cães, que para inúmeras tarefas de segurança são mais eficientes do que muitas das tecnologias disponíveis.

 

Vantagens na utilização de cães de guarda

Cães podem exercer três papéis importantes em sistemas de segurança: como alarmes, pois alertam para qualquer presença estranha; como barreiras, pois intimidam pessoas que pretendem invadir o local; e como proteção, atacando ameaças tanto para o vigilante quanto para o território que esteja guardando.

Com olfato e audição excelentes, os cães conseguem identificar ameaças em situações em que câmeras e pessoas não detectam, com pouca luz ou muitos obstáculos.

Cães de segurança são ideais para locais de grande perímetro e pouca visibilidade, ou mesmo para áreas isoladas. Além de ágeis, sua capacidade de se manterem sempre alertas e detectarem presença a grandes distâncias são fundamentais nestas circunstâncias. 

São especialmente úteis em locais com muitas barreiras visuais, como portos e centros de cargas, onde centenas de lotes de cargas impedem câmeras e vigilantes de terem visibilidade total. Cães podem farejar ou ouvir pessoas mesmo que estejam escondidas dentro dos contêineres. Pelo mesmo motivo, são excelentes também para rondas noturnas, pois alertam os vigilantes mesmo em áreas cercadas por matagais, por exemplo.

Os cães também são o primeiro contato de ameaças, atuando como linha de frente e protegendo a integridade física do vigilante.

Do ponto de vista econômico, cães de guarda são mais econômicos do que câmeras e vigilantes. Para cobrir áreas extensas, o investimento em cães pode ser até 4 vezes menor do que de vigilantes e dez vezes menor do que de um sistema de segurança eletrônica com central de monitoramento.

 

Cuidados para segurança

Os animais devem ser treinados por empresas especializadas, com canis próprios. Uma vez contratadas, elas são responsáveis pelo cuidado, saúde e fornecimento de alimento para o animal.

O local onde será feita a segurança deve fornecer um canil adequado, conforme a legislação. É dever da empresa de segurança orientar a construção, pois o canil deve ser limpo, possuir áreas de sombra e abrigo para descanso dos animais.

O cuidado no dia a dia fica por conta do vigilante. Ele é responsável por zelar pela saúde do animal e utilizá-lo apenas para as funções determinadas. O profissional deverá conduzi-lo e alimentá-lo, e em alguns casos, dar banho. A alimentação é particularmente importante para criar um vínculo entre os vigias e os cães, que precisam ainda de um período de adaptação do local e das pessoas.

A atuação dos cães podem ocorrer de duas formas: na guia acompanhado do vigilante ou solto na propriedade. Quando está na guia com o vigilante, qualquer ação feita pelo animal é de responsabilidade do profissional, por isso, a pessoa deve ter plena segurança para controlar o cão.

Quando o vigilante é responsável pelo cuidado e condução de cães ele recebe o nome de vigilante condutor e ganha um adicional no salário. O profissional que deseja trabalhar com cães não precisa fazer um curso específico para a função, mas é necessário que ele tenha perfil e gosto com animais.

É importante que a área protegida tenha pouco movimento. Caso contrário o cão ficará acostumado com um grande volume de pessoas e não notará atividades suspeitas. Por isso, os cães são especialmente recomendados em locais de baixa circulação.

A raça é escolhida de acordo com o planejamento da segurança, pois há diferenças entre cães mais ágeis e mais robustos. Enquanto os primeiros são ótimos para alarme e vigilância, os segundos são mais indicados para proteção e intimidação.

Seja como for, os cães devem ser vistos como uma opção eficiente em projetos profissionais de segurança. 

 

—-

Leia também:

QUAL O PAPEL DO VIGILANTE EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA?

AGENTES DE SEGURANÇA: DO VIGILANTE PATRIMONIAL AO VSPP

Siga a G4S Brasil no Linkedin!

—–

Tudo o que você precisa saber sobre vigilantes, VSPPs e proteção executiva, em um único material! Preencha o formulário e baixe o e-book “Proteção executiva: tudo o que você precisa saber antes de contratar”: