FACILITIES EM AMBIENTES CRÍTICOS: AEROPORTOS

AvatarPosted by

Para o pleno funcionamento dos aeroportos, sua intensa atividade e circulação de pessoas, da gestão de facilities é uma exigência e uma enorme responsabilidade.

facilities em ambientes críticos

Responsável pela coordenação e execução relacionadas a serviços gerais de limpeza e manutenção de infraestrutura, o setor de Facilities aparece como indispensável para a realização adequada dos trabalhos em ambientes críticos, como é o caso de aeroportos. Esses locais classificam-se nessa categoria (a dos ambientes críticos) por diversos aspectos: 

  • Riscos do local
    Aeroportos apresentam diferentes espaços em um único conglomerado: pistas de pouso e decolagem, pátio de aeronaves, cabines de controle, áreas de embarque e desembarque com altíssima circulação de pessoas e materiais, lojas com bens valiosos, restaurantes, lanchonetes, banheiros, postos de polícia e emergência. Para garantir a segurança, os cuidados e a manutenção dessa imensa infraestrutura, as operações precisam ser coordenadas, assertivas, organizadas e executadas da melhor forma, a fim de mitigar os diferentes e concomitantes riscos desses ambientes. 

  • Materiais e produtos armazenados
    A incessante circulação de bagagens dos passageiros, por si só, já seria o suficiente para classificar os aeroportos como ambientes críticos. Mas é apenas um dos aspectos dessa complexidade. Há materiais provenientes de transações mais complexas, como exportação e importação, por exemplo. Todo esse material – incluindo a bagagem dos passageiros – passa por um minucioso e articulado controle, que exige uma ampla infraestrutura tecnológica e equipes de agentes preparados para executar operações de inspeção ou contenção, quando necessárias. Tanto a segurança, quanto a manutenção do local e seus serviços, como embarque e desembarque de bagagens, precisam ser muito bem estruturados.

  • Brechas nos processos
    Não há possibilidade de pensar em processos mal estruturados em aeroportos. Os riscos envolvem mais que perdas materiais. Envolvem desastres, atentados, perdas de vidas, contaminações, possibilidade de contrabando, tráfico. É um local em que não pode haver erros. Qualquer descuido é brecha para que a estrutura toda seja colocada em risco – material e humana.

  • Chances de contaminação
    Aeroportos são locais que lidam com riscos de contaminação de todos os tipos e origens. Podem tornar-se porta de entrada para disseminação de doenças e pandemias, como vemos hoje com o coronavírus. Limpeza e atenção à segurança são redobradas nessas situações, com controle de entrada da população, inclusive. Mas situações como essa só evidenciam a complexidade de riscos desses locais, em que as operações que envolvem facilities e segurança devem ser muito bem planejadas e executadas.

  • Informações sigilosas de alto risco
    Finalmente, os aeroportos se encaixam em mais este item. A proteção dos dados é tão importante quanto a proteção física do local. A presença de informações sigilosas ou essenciais para o funcionamento dos aeroportos levanta o risco de ataques cibernéticos o que torna o lugar, mais uma vez, um ambiente crítico.

Facilities em aeroportos: muito mais que uma faxina

Já comprovamos aqui que os facilities em aeroportos são indispensáveis, pois esses ambientes exigem serviços complexos, que envolvem equipes numerosas com profissionais altamente capacitados para realizar as operações. O sucesso da execução dos serviços está também nos equipamentos e produtos envolvidos: há necessidade de utilização de recursos profissionais, produtos com alto rendimento, eficiência e atóxicos – medida imprescindível para evitar incidentes e contaminação. 

Os equipamentos profissionais também são projetados para agilizar a limpeza em espaços amplos (que é o caso também das indústrias, por exemplo). A esterilização deve ser constante e contar com equipes de operadores em diferentes turnos, o que exige uma gestão eficiente e dinâmica, capaz de lidar com tantos profissionais e ambientes ao mesmo tempo. 

Manutenção em aeroportos: muito mais que simples ajustes

A manutenção também é diferenciada e constante. Os espaços verdes estão entre essas áreas. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a vegetação da faixa de pista deve ser controlada. Nem tão alta que atraia roedores, nem tão baixa que atraia pássaros. Formigueiros e cupinzeiros também devem ser localizados e reparados. 

É nesse quadro que atua a G4S no Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU Airport), em São Paulo. O uso de equipamentos especiais e equipe capacitada contribui para que a poda e a limpeza do entorno da pista sejam executadas com precisão e atendimento às normas. As equipes da empresa cuidam também da manutenção das áreas verdes internas e externas das instalações do aeroporto.

Os cuidados, portanto, envolvem os mínimos detalhes. Tudo é observado e precisa de atenção e profissionais capacitados para executar as operações de forma correta e com os equipamentos adequados.

Crescimento dos setores e oportunidades aos facilities

Milhares de passageiros, colaboradores e outros usuários frequentam os aeroportos brasileiros todos os dias. A Anac aponta o crescimento do setor: os últimos dados consolidados, de 2018, registram um crescimento de 4,4% só nos voos domésticos. Para os voos internacionais, a demanda aumentou ainda mais em relação ao ano anterior: 9,3%. Em um ano, foram mais de 960 mil voos realizados e mais de 110 milhões de pessoas transportadas. 

Para possibilitar o pleno funcionamento desses locais e a sua intensa atividade e circulação de pessoas, a gestão de facilities é uma exigência. Por meio de empresas especializadas em facilities, há o gerenciamento e o controle correto da prestação de serviços, da infraestrutura e de profissionais disponibilizados. Assim, é possível garantir a conservação, a limpeza e as manutenções adequadas em todos os ambientes dos aeroportos.

Nos últimos anos, o setor de facilities também vem ganhando força no Brasil. A profissionalização do setor diante de demandas tão específicas, como acontecem nos aeroportos (e também nos portos, que já vimos aqui em post anterior) é fundamental para fortalecer o segmento e ampliar a credibilidade e importância do trabalho que realiza. 

Embarque autorizado para voos mais altos aos facilities

A grande maioria dos serviços de facilities realizados em aeroportos não faz parte do escopo principal do negócio, mas são tão importantes quanto. E esses serviços precisam de profissionais capacitados para atender a normas e exigências que um ambiente crítico apresenta. O crescimento nos dois segmentos abre espaço para a especialização cada vez maior do setor e também para novos negócios em facilities. Os voos rumo ao sucesso já estão autorizados. Conseguirá a passagem quem tiver mais a oferecer não apenas em tipos de serviços, mas também em excelência, inovação, experiência, responsabilidade e compromisso.

Leia também:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *