VSPP: Como planejar uma operação de segurança pessoal privada

Posted by
LinkedIn
Facebook
Facebook
Twitter
Google+
https://blog.g4s.com.br/vspp-planejamento-de-seguranca/

Planejamento é indispensável para o sucesso de qualquer operação de segurança. Confira nessa postagem como isso funciona para a proteção executiva!

 

Planejamento de segurança pessoal privada

 

Já comentamos no Blog da G4S quem são os profissionais da segurança privada, esclarecendo quem são e o que fazem os agentes VSPP. Mas como eles atuam, efetivamente, para garantir a segurança dos envolvidos? O segredo é simples: planejamento, treinamento e organização.

Montar um operação de segurança pessoal ou patrimonial exige estudo, conhecimento e preparo para garantir que a quantidade de agentes e o perfil deles são adequados para a situação onde irão atuar. A Proteção Executiva precisa de um efetivo qualificado e treinado, que saiba como agir em cada situação e esteja munido dos equipamentos e veículos corretos.

 

Planejamento é essencial

 

No momento do planejamento, é preciso coletar informações relevantes sobre a pessoa ou o grupo a ser protegido. Essas informações ajudam a entender a demanda por segurança e de que forma ela pode ser suprida. Com isso, são definidos o perfil do agente e o tipo de equipamento que ele irá porta, por exemplo. Planejar é essencial para garantir o sucesso da operação, seja ela fixa ou pontual.

Quando se fala de Proteção Executiva, é preciso incluir no planejamento toda a rotina do protegido. Os familiares e prestadores de serviço mais próximos devem ser orientados e preparados para a situação, criando um cenário em que o VIP se sinta seguro em todos os momentos.

O sucesso de uma operação desse tipo depende de diversos fatores, como treinamentos de conscientização e técnicos, processos voltados a segurança de ambientes e dinâmicas do dia-a-dia. Tudo isso serve para para garantir a segurança em uma conduta não-expositiva, com acompanhamento e supervisão constante dos padrões.

Confira algumas das informações que devem ser levantadas no momento do planejamento!

 

Estudar as rotas paralelas

 

No caso de escoltas armadas, é preciso conhecer a região por onde os carros passarão. O conhecimento prévio sobre as vias e espaços ajuda a definir melhor o tempo de trajeto e a se preparar para realizar mudanças de rota, caso seja necessário.

 

Avaliar os riscos iminentes

 

Conhecer a região onde a operação acontece também é importante para compreender os riscos. É preciso entender as possibilidades de perigo para saber quais são as possíveis ameaças ao cliente e, principalmente, planejar como evitá-las.

 

Monitorar atentados, acidentes e manifestações

 

Informações em tempo real fazem a diferença para uma operação de escolta motorizada. É preciso se manter atualizado sobre acidentes, desvios, atentados e manifestações que interditem a via principal. Com essas informações, será possível mudar de rota, evitando transtornos.

 

Analisar históricos e índices de criminalidades

 

Como já vimos no blog, a análise de histórico de ocorrência é um dos segredos para uma operação de segurança bem sucedida. Conhecer a fundo os índices de crime e os históricos da região onde a operação vai acontecer é um modo de organizar a operação e otimizar o treinamento para os riscos potenciais.


 

Leia também:

 

Análise de riscos é a base para plano de segurança bem elaborado

E-Book: Proteção Executiva: tudo o que você precisa saber antes de contratar

 

Siga a G4S Brasil no Linkedin e não perca nenhuma postagem do Blog!


 


 

Quer saber mais sobre proteção executiva? Entre em contato e fale com os nossos especialistas!

* Esses campos são obrigatórios.